sábado, 14 de maio de 2016

poesia de ver - troca de perfumes

Poesia de ver


"Não me leves pro sol… Só hoje, não quero abrir… Quando chegaste perto, pela manhã, fui eu que te cheirei… deixa eu ficar mais um pouco abraçando o perfume teu que ficou em mim…"

Fiquei em silêncio, surpreso… e tu me explicaste:

“Não percebeste? Sempre foi uma troca: quando te abaixas pra cheirar-me, também eu cheiro teu perfume…”

Imagem e texto por Luís Augusto Menna Barreto

22 comentários:

  1. Oi Menna, qta doçura, sensibilidade, seu diálogo com a rosa, deixa teu perfume pra ela, deixa que ela te abrace e não te surpreendas com a confissão da troca que vcs sempre fizeram...lindo poeta!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Tel... sempre tão gentil...!
      Gosto de pensar no que me diria a flor, de inverter a visão... gosto de deslocar-me ao outro lado do que falo, como um espelho de mim...!
      Obrigado, Tel!

      Excluir
  2. Que doçura,que candura!!!
    A troca que cativa...
    Que linda poesia!!!
    Linda de ver!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que comentário gentil...
      Lindo de ler...!
      Obrigado, Michele...!!

      Excluir
  3. As flores me encantam! E a rosa tem o seu mistério: o espinho! O espinho que machuca... A rosa que encanta e perfuma, tirando a dor que o espinho deixou. E tua poesia condiz com a beleza desse botão! E esse perfume que sinto! É da flor? É teu? Candura na poesia... Poesia que adentra nossa manhã de Sábado! Obrigada, poeta, por espalhar gentileza no meu caminho! E sabe? Ficou bem mais fácil caminhar...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como é bom, ler teu comentário assim, professora...!
      As pessoas que encontro pelo caminho, como tu, também deixam muito melhor o caminhar!!
      Mil vezes obrigado...!!

      Excluir
  4. Desculpa,comentei do celular e me atrapalhei um pouco kkkkkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sempre desculpada.... só não achei o comentário... além desse... rsrsrsrs!!!
      Mas és sempre muito bem vinda...!!

      Excluir
  5. Sinceramente?? Não tenho mais palavras pra expressar meu carinho pelas suas flores!
    Lindo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sinceramente...? Também nem tenho palavras para agradecer a gentileza de dedicar-me teu tempo, nos meus escritos...!!!

      Excluir
  6. E na poesia de ver fica a reflexão , por onde passamos , levamos um pouco do outro e deixamos um pouco de nós...
    Lindo, amigo "escrevedor"...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que sempre deixamos um pouco de nós em cada caminho...
      ... e os caminhos também, vão-se diferenciando a cada um que passa...
      Então, é sempre um novo caminhar... mesmo repetindo o caminho!

      Excluir
  7. Quanto amor tem o cheiro da rosa,
    Porque tenho que amar
    Se não pode ser o que quero
    Vou ser a tua luz pra te adorar
    No cheiro do teu cantar eu quero estar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah... inspiração.... como viajar faz bem...!
      Como é bom ler-lhe inspirado assim, Dr. Izamir!
      Muito obrigado....!!!!

      Excluir
  8. Ah!Se eu tivesse o poder de sedução desta rosa, por certo o SER do meu amor(?), da minha paixão(?), do meu bem-querer(?) não teria me deixado só!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A rosa fechou-se no seu amor...!
      Obrigado, escritora!

      Excluir
  9. E na troca de carinhos, a rosa deleitou-se com a presença do querido - aquele que foi ao seu encontro vislumbrar o toque suave do aroma de que tanto ansiava... O que seria de nós sem tais trocas?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. .. trocas como esta, de palavras, em que te empresto imagens e algumas frases e tu devolves gentileza e poesia....! Obrigado, poetiza....!!

      Excluir
  10. Sou bela e formosa e tão cheirosa....sou radiante e reluzente....sou doce e envolvente....mas sou carente e dependente do seus brancos ....Quando sinto o teu calor... com tanto amor que é .... fico com alma de flor... com à formosura do teu calor.... à calor.... que bom é...fico em silêncio da doçura que é... nos teu branco vou à dormir ...Não quero mim abrir perto de ti ....o teu calor e tão reluzente que pode matar a gente... de tão reluzente que é .....dependo...dependo do teu calor ...com fórmula é amor do sol e a flor...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que ritmo bom de ficar passando os olhos....
      ... super obrigado...!!!
      Obrigado, Geraildes...!

      Excluir
  11. Muito bonito este diálogo. Quando escrevo, também gosto de dar vida à personagens inesperados.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah.... então vem... escreves prá gente..... vem...
      Mil obrigados, Adelina...!!!

      Excluir