quinta-feira, 2 de junho de 2016

pensamentos perdidos - "...amorítmos"

Pensamentos Perdidos
Originalmente  publicado no antigo blog
"Menna Comentários", precursor deste.
Data da postagem original: 10.03.2016.
Comentários na postagem original:  8.
Visualizações até ser retirado:  296.

A matemática do amor nunca obedece ao exato. Quando de 2, resta apenas o meu próprio 1, sinto que sobra sempre menos de minha metade… 

… desprezando a força dos números e o rigor das demonstrações, essa minha metade, sem qualquer adição, transforma-se com o tempo no novo inteiro de mim mesmo.

E aos poucos vou aprendendo que aquela metade na qual sobrei, mostra-se maior e mais forte que o inteiro que eu era antes de ser partido…

… mas não há lógica nessa matemática… porque quando sinto teu adeus dentro de mim, percebo-me um conjunto vazio…


Por Luís Augusto Menna Barreto

28 comentários:

  1. Só a sua matemática para dar lógica ao amor... Que nos fere e nos cura, sem razão. Adorei.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah.... estou sempre aprendendo a fazer contas... e o resultado sempre tem vírgulas...!!!
      Obrigado, Sylvia!!

      Excluir
  2. Arrasoooooooooou!!!!

    O amor nos deixa como fênix.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossas metades são sempre fortes... e acham em si mesmas um multiplicador para deixar-nos maior que o inteiro de antes..!!!

      Excluir
  3. Amigo lindo. A matemática do amor sempre soma e desta adição na maioria das vezes sempre surgem novos valores nos números que se juntaram e nos novos (filhos) que foram adicionados.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exato, Dr. Izamir...
      Nessa matemática, um mais um, começa em 3.... meu pequeno João que o diga!

      Excluir
  4. Ela não é lógica, todavia é uma matemática PERFEITA,
    "porque quando sinto teu adeus dentro de mim, percebo-me um conjunto vazio…"

    Verdade.

    Um abraço recheado de carinho em cada pessoa que frequenta este blog!

    Outro abraço todo especial em ti, meu POETA! Pena que agora o abraço seja sem SAL.

    Ai meu Deus, que saudade do SAL! Chega a doer.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, perfeição.... acho que a característica da perfeição, para os escrevedores, é justamente fugir da lógica...
      Como é bom te ver sempre aqui...!
      Como é bom...!
      Obrigado, escritora!

      Excluir
    2. Obrigado querida parceira do blog Ana pelo fraterno Abraço, aqui devolvido acrescido na soma do nosso espaço.

      Excluir
    3. Que coisa gostosa, Isamir! Mais um abraço é sempre uma soma, cujo resultado é multiplicação.

      Vais a Fortaleza, no evento de novembro?

      Excluir
    4. Amiga Ana vou falar com o Luís pra conhecer detalhes da programação do evento. Eu e minha querida mulher (não quero provocar polêmica pois gosto mais de chamá-lá minha mulher que esposa com os nossos 25 anos de cada dos, aqui no Pará se diz mais minha mulher que minha esposa. Acho o termo mulher mais total,lindo e agregador de sentimentos.Mas voltando ao assunto devido ao recesso na UFPA iríamos a Fortaleza na segunda quinzena de Julho, como tem novo recesso em novembro vou falar com o Luís pra ver o período, saiba que teremos imenso prazer de conhecê-lá e aos demais pares do Blog. Um fraterno Abraço a todos.

      Excluir
  5. E onde está escrito que tem lógica no amor???
    A matemática do amor, por maus exata que seja, sempre será inexata!!!
    Assim, penso eu... Meu grande poeta!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O exato ponto da inexatidão dos sentidos...: amor!

      Excluir
  6. Falar do " Amor ", é, ao meu ver um risco. Eh como a rima... Há que se ter muita certeza dos caminhos da linguagem. Do contrário, cai-se da vala comum do mais do mesmo. Exatamente o que não ocorre nesse belíssimo texto. Uma conta simples, para traços sofisticados. Eh, Menna... De tão belo , nem quem porventura sofra de discalculia seria incapaz de compreender essa lógica tão profundamente tocante . Parabéns

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bora descalcular tudo... como diria Herbert Viana, vamos fazer tudo passar pelo nosso "Caleidoscópio Sem Lógica", e colorir tudo com uma paleta de improviso...! Vamos amar sem fazer contas!
      Super obrigado, Poeta Lualves!!!

      Excluir
  7. É tão bom o amor, ele soma, multiplica...e mesmo qdo subtrai ou divide, no final como vc bem disse na matemática do amor o inteiro fica maior que era...Então sempre o amor nos adiciona, nos faz melhores....linda sua matemática poeta!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah.... linda é essa tua inderrotável gentileza, que sempre me faz maior, como os números do amor!
      Mil obrigados, Tel!!

      Excluir
  8. Nesta matemática, nada exata, demonstra o quanto somamos. Gosto da adição, dos sonhos. Façamos nossos conjuntos inteiros!!!

    "...quando sinto teu adeus dentro de mim, percebi-me um conjunto vazio..."

    Abraço, querido amigo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah... que seja inteiro... e que não os deixemos esvaziar com os "adeus" do caminho!

      Excluir
  9. Não sei somar, não sei dividir mas sei que todo meu ser se soma com a vontade, sempre, de te ver, de estar ao teu lado e dizer que te amo. Digo assim porque não existe coisa mais bela que o amor e, amando, a pessoa se encontra com seu eu, com seu amor, consigo mesmo e aí, se vê que e possível ser feliz, ser feliz. A felicidade existe, procure ser feliz.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Barbaridade... há escondido, no meio do texto (ou de forma clara, nem sei bem), uma outra lógica: amando alguém, amamos a nós; buscando em alguém, encontramo-nos...!
      Obrigado, Dr. Valdomiro!

      Excluir
  10. Respostas
    1. Vê? Filho é o resultado 3 (às vezes 4, 5, 6...) da soma de um mais um!!!
      Obrigado, Dr. Jackson!!!

      Excluir
  11. É que esse tal de amor é uma equação ainda não resolvida..
    E esse mennaempalavras, um conjunto infinito...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah..... A matemática sempre me fez errar as contas! Como tu, agora, Maria: o conjunto infinito, é tua gentileza!!!!

      Excluir
  12. À soma do amor...É um pavor...como posso somar.... Quando não dá.....matemática que é....isso é coisa de homem e mulher...soma assim....eu + você....Não pode esquecer....que esse amor... na soma já ficou...anos ser passou....e um conjunto ficou....como assim...sobrou tudo pra mim....pra mim.....sim....como assim....foi tudo que vivir....amor....amor até o fim....
    Quando acabou...um conjunto ficou...sim senhor...o que restou... à própria soma do amor....somando como for...É matemática meu senhor....como ficou... vazio meu senhor...calculado como for....conjunto vazio sim senhor....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, como é bom contar com a volta da tua alegria por aqui...!!!
      Obrigado, Geraildes...!!!!

      Excluir
  13. Perfeito, mas concordo com a Maria Zélia de que o amor é uma equação ainda não resolvida...
    Nunca se sabe quando vai dar certo.

    ResponderExcluir