quinta-feira, 9 de junho de 2016

pensamentos perdidos - O CIRCO parte 1 de 13

Pensamentos Perdidos - Estréio, hoje, O CIRCO. Um conto que escrevi há mais de vinte anos, quando tinha, anda, 21. Conto em 13 partes. Espero que tenham carinho com meu palhaço…  ele tem um coração recortado por desamores…

PROÊMIO

Estréia
Respeitável público,
eu já fui um menino.
De 19 anos. Quem não foi?
Brinquei com minhas bolitas e meus castelos nas árvores.
Vi-me envelhecer ante o espelho.
Tive 60, 80 anos... Quem não os teve?
Agora, sou um menino de 21 anos.
Tenho, talvez como tu, uma grande frustração: eu amo!
E não há como controlar o fogo em meu coração. Mas é preciso.
Porque meu coração arde solitário...
É preciso sorrir novamente; nem que seja através do teu sorriso.
Não posso mais voltar à infância e pegar as bolitas.
Ter amado, impede-me de ser criança...

Óh!!, mas vê só o que encontro no bolso da minha larga calça:
Laranjas!
Isso mesmo: LARANJAS!
Laranjas como as que estão nos teus bolsos!
Eu amo... mas tenho laranjas!
Vou jogá-las pra cima.
Não as deixarei cair, mantê-las-ei, sempre, subindo e descendo.
Sim, eu sei que tu amas também.
E dói.
Mas pega tuas laranjas!

É preciso fazer sorrir!
Por Luís Augusto Menna Barreto

41 comentários:

  1. Como eu me lembro do "O Circo". Se estou no conto certo, consigo vizualizar a dedicatória que fizeste nele. Foi marcante.
    Naquele momento, quando a li, descobri o grande poeta e a alma nobre que tinha como irmão.
    Descobri em ti a paixão pelas letras, pela vida e pelo amor, em todas as suas formas.
    Posso estar enganada quanto a dedicatória, mas jamais com o conto e o menino das laranjas.
    Que prazer, que alegria, que felicidade encontar O Circo aqui, sendo dividido com todos teus admiradores.
    Um grande beijo, meu irmão.
    Hoje, voltei uns 24 anos no tempo!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, mana! Tens razão na dedicatória! Era para nossa amiga Mara Lúcia Cardoso... "O céu precisou de um anjo, e chamou minha mais prezada amiga..."!
      E tinha (tem) uma pra vocês: "mana e pais, sentem na plateia e assistam ao espetáculo que depende do convívio com vocês!
      Essas dedicatórias (e as outras) ainda estão lá, e podem ser vistas na versão digital! Por enquanto, só na iBooks!

      Excluir
    2. Elisa, como é lindo o amor que transborda em tuas palavras pelo teu irmão... E como é bom falar de amor dos dias de hoje onde o desamor está tão presente... Mas não nos nossos corações e nem nas nossas atitudes... Ah, minha amiga... é bom ler tuas palavras amáveis... E vamos sim, falar sempre de amor... Beijos...

      Excluir
    3. Amiga, sempre digo que sou a maior fã do meu irmão. O amor que sinto por ele é indescritível, incondicional.
      Mesmo, com toda a distância que nos separa e sempre nos separou (ele saiu de casa muito cedo para trabalhar) ele sempre foi meu porto seguro.
      Mas apesar de tudo, acredito que só agora, através do blog e que consegui expressar todo esse amor e todo o orgulho que sinto dele e por ele.
      Beijo amiga.

      Excluir
  2. Que legal poeta voltarmos no tempo !! Linda cronica amigo !!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vem! Tem mais sessões! Vamos reservar um canto da plateia para nós e outros amigos e amigas que venham chegando!!! Vamos assistir os palhaços! O circo do interior, é sempre motivo de sorrisos!!!!
      Bora... vou comprar nossos ingressos!

      Excluir
  3. Enquanto amo (e não sei como lidar com esse sentimento) solto malabares ao vento com as laranjas que encontrei no bolso.
    Vamos fazer sorrir, enquanto o amor amadurece em mim?...
    Afinal, não sou mais aquela criança de antes.
    E não sou (ainda) o adulto que me vê ao longe, e torce que nenhuma das laranjas o decepcione e acabe caindo ao chão...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, essas laranjas poetisa....
      .... parecem-me, ao mesmo tempo, a cruz e a salvação.... (Mas a salvação não se daria, mesmo pela cruz......?

      Excluir
  4. Ops...que legal,voltaremos ao tempo junto com o poeta...adorei Menna!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bora sentarmos com todo o pessoal..... comprar maçã do amor, pipoca, algodão doce..... vamos esperar os pelhaços!! Ouvi dizer que um deles em especial tem o coração triste... .... E por isso empenha-se tanto em fazer sorrir...!

      Excluir
  5. Amigo, na minha cidade no interior do Pará a chegado de um Circo era um momento muito especial pra todos. Era uma mobilização e assunto principal em todas os locais. Pra nós crianças era legal acompanhar o desfile dos componentes do circo anunciando o espetáculo pois respondendo o que o palhaço falava nós ganhávamos um ingresso. De noite toda a família bem arrumada em festa íamos pro circo, comer pipoca, algodão doce, maçã do amor e outras especiarias. Depois no picadeiro as atrações se sucediam, as que eu mais gostava eram o palhaço e o globo da morte. Tirávamos fotos e comprávamos nos binóculos. Era uma farra. Eu gosto muito de Circo.
    Agora uma história nas outras noites nós furavamos por baixo da lona e sentávamos no puleiro, quando pegavam a gente nos colocavam pra fora. Naquela hora não tinha o Pilha pra quebrar o galho.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, Dr. Izamir...... que descrição bonita..... vejo que no norte ou no sul, nos interiores, o envolvimento com o circo é o mesmo!! Também era assim na minha cidade!!! Era um evento! E, nas matinês, os palhaços chamavam crianças para as brincadeiras, e lá ia eu, correndo para o picadeiro de beaço erguido!!!

      Excluir
  6. Caro Escritor,

    Eis que surge de ti esse poema. Eu daqui da minha Noite Nua (encontra-me?) chego facilmente a conclusão que esse texto é a metáfora de ti mesmo! Olha-o bem... com calma... distante da confortável (?) poltrona do autor... Chega pra cá. Senta aqui na guia. Ao meu lado. Não se incomode com a molecada jogando bola... Agora atenta para que tu escreveste. És o malabarista!!! As laranjas são suas palavras, man!!! BRAVO!!! BRAVO!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sento contigo e com o POETA na guia, amigo do meu irmão, e vamos falar dos nossos malabares e das palhaçadas que fizemos, para honrar nosso ofício de palhaços.

      Eu já perdi tantas laranjas ao jogá-las para cima! E tive a minha primeira pirueta interrompida, quando amei aos 10 anos de idade. Aí mudei de ofício, passei quatro anos lá em cima no trapézio. Voava, Sedrick, voava com minhas asas de sentimentos, POETA, e não caía nem nos saltos mortais.

      O tempo passava e eu continuava no circo.

      Certo dia, então, entre um salto e outro, olhei para baixo e vi o domador dos leões. Aí...

      Excluir
    2. Ainda tem lugar na guia....? Ah.... deixa-me sentar ao lado de vocês pra ver a Kombi colorida, com alto falante, do Circo, passar devagar, anunciando o maior espetáculo da Terra!! Atrás vem vários artistas (que antes eram os mesmos que montavam o circo), e por fim os palhaços, com o séquito de crianças que os seguem.......
      Ah, deixa eu ver com vocês... Olha lá: estão vendo aquele palhaço? Aquele lá! Algo nos olhos dele é melancolia.... é mesmo assim, ele se esforça em sorrir! Vou comprar, hoje, os ingressos para nós três, e Lualves! Bora ver o Circo!!!!!

      Excluir
    3. Sedrick, Ana Isabel e Menna: (tem mais alguém na guia?)

      Eu andei, quando criança, na cidade do Yuri. Digo, cidade enquanto referencial geográfico, uma vez que, segundo ele, a Noite Nua é um conceito. Pois bem, da guia eu vejo, aos fins de tarde, um parque na periferia paulistana. Havia um tal "chapéu mexicano" e por mais que eu me esforçasse não conseguia segurar na cadeira da frente, sobre a qual sentava Mariazinha. Como eu queria tanto segurar naquelas correntes e voar com ela... era só tudo isso... Mas, eis que o Circo chegou!!! Com licença!! Com licença!! Desculpe, Sr... opa... desculpa...aqui...aqui seu moço!!! O Menna comprou nossos ingressos! Sim!! Somos 4... um, dois, três e eu... Hã? É que a gente quer ficar na primeira fila...Desculpa, moço, é a pressa... Me fala uma coisa, tem trapezista??? e o "Globo da Morte"? Tem, tem!?... Bora meninos! Bora Ana... Correeeeee

      Excluir
    4. Maçã-do-amor, pipoca, algodão-doce... dedos melados... risadas... Quase nem olho o trapezista sem a rede... e a corda bamba, então...?? fico nervoso...! Nervosismo que vai embora a cada entrada dos palhaços!!! E globo da morte...? ah... é sempre por último... e o barulho que fazem as motos, deixa a gente sem ouvir mais nada...!!!!!!! Depois, vamos sair pelo arraial do Circo e jogar argolas, ou ir na "pescaria"... e tem aquele de espingardas de ar comprimido que a a gente tem de derrubar carteiras de cigarro... ... tá, nem fumo, mas que é bom tentar derrubar um é... Alguém aí quer ir na roda gigante e ver com é engraçado ficar sentado parado e ver o mundo subir e descer...???

      Excluir
    5. Não, POETA, sossega o facho, o parque fica para outro dia! Se vocês três forem para o parque agora, para quem vou contar o resto da história de minha vida?!

      Lembra que eu estava no alto do trapézio e entre um salto e outro olhei para baixo e vi o domador dos leões?

      Vocês não querem saber o que aconteceu?!

      Ah! Eu de qualquer jeito, vou ficar sentada aqui na guia. Agora estou com oitenta e quatro anos, mas daqui a pouco posso estar com quatorze.

      Excluir
    6. Bora continuar, no domingo, essa conversa!

      Excluir
  7. Olá, meu contista, lembras que, há uns quinze anos, tu e nossa queridíssima amiga Nora Bittencourt prefaciaram o livro de Euclides Mendes (aquele amado Pindaí) e eu escrevi o texto de apresentação do autor? Lembras?

    Lembras que outro dia, há poucos meses, quando eu vivia no paraíso de Barra Grande, tu brincaste, ao relermos o que escrevemos, e disseste que eu o havia plagiado em algo que tu já havia escrito?

    Pois bem, meu querido contista, hoje , quando li a primeira parte deste teu conto, cheguei à mesma conclusão. Acho que foi o teu anjo da guarda que fofocou com o meu , e este, não se aguentando de inveja, soprou-me ao ouvido de minh'alma, para que eu pudesse escrever algo similar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah........ escritos vindos da alma, nunca saa plágios! Se eu o disse, foi (e entendeste!!!) brincadeira!
      O que senti, em verdade, foi um imenso orgulho por haver pensado em algo que uma escritora de verdade também pensou! Senti-me tão maio do que sou....! E veio aquele sorriso enorme.....!!

      Excluir
  8. A vida como o "circo" tem um palco, um picadeiro onde tantos personagens passaram, mas de todos o que mais amei foi o palhaço, escondia sua dor, diziam ser "ladrão de mulher", mas ao contrário...dava as pessoas inclusive às mulheres, o que não tinham, calor, carinho, gentileza e sensibilidade, valor. Não importando a idade, o amor rejuvenesce, faz ter 20 o que tem 60...se a decepção acontece faz ter 80 o que tinha 19, assim é a vida amigo poeta, manteremos a nossa LARANJA em equilíbrio, e se um dia, o choro me rondar, farei sorrindo da laranja, o motivo da minha doçura! Parabéns, ótima noite poeta Menna!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, grande amiga, como foi carinhoso teu comentário.....! Suave. Um afago!
      Vem! Bora entrar no Circo com todos!

      Excluir
  9. "É preciso sorrir novamente; nem que seja através do teu sorriso."

    E como sorrimos através daquele sorriso...

    Ah, anjo amigo, de alma transparente, nos deixou. Mas deixou o amor que em nós, plantou!!!!

    Respeitável público, nos deliciemos com os malabares , que nos levarão no caminho do amor...

    "É preciso fazer sorrir...!"

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tu lembras, também, do anjo... acho que, ainda viva, era anjo para todos os que a conhecíamos.....

      ... e ainda assim, era preciso sorrir e fazer sorrir... Lembras dos Circos em Santo Antônio da Patrulha....? Armavam o picadeiro lá na "Várzea"... ah.... Como eu queria ir correndo...!!!!!!

      Como é bom voltar lá.... vem! Bora ver os palhaços......!!!

      Excluir
    2. Bahh!!!! Lembro muito, aquelas covinhas quando sorria (eram lindas, assim como tudo nela), aquele ser de luz,pessoa iluminada, MARAvilhosa!!!!
      Ahh, os Circos na Várzea! Que saudades...sempre eram uma festa!!!!

      Então vamos! Vamos juntos ver os palhaços!!!

      Excluir
  10. Caro Menna,

    Que lindeza essa sua atemporalidade... essa não linearidade cronológica... brincar com isso foi realmente bonito. Eu gostei muito! Eu fico apenas com esse olhar, não que não haja outras coisas belas a serem apreciadas e comentadas... Mas, menino que sou, gostei disso e pronto!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bora, então, fazer como sugere, ali em cima, o Dr. Izamir...
      ... acho que hoje, ele tem 12 anos de novo... bora com ele, entrar por baixo da lona e ir no poleiro...!! Com sorte, conseguiremos ver mais da metade até que nos peguem e mandem sair...!!!!!

      Excluir
    2. Essa é uma malineza muito boa! Vamos! Ninguém pega não... psssiiiuuu fica quieto... faz barulho não... calma...calma...não empurrava... o velho está olhando...agora! agora!!!!! Pronto, viu?! kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

      Excluir
    3. Cadê a Ana...? Tá com medo ou foi pegar o algodão doce...??? Ela vai saber entrar...... psiiiuuuu.... olha ela lá, distraindo o velho pra gente entrar... bora.... e ela??? Vem, Ana....

      Excluir
  11. Respostas
    1. Oi Shirley!!!!
      Bora logo comprar nossos ingressos?!!! Eu lembro de um circo aí em Breves! Foi muito divertido!!!

      Excluir
  12. Do mais simples ao mais sofisticado, o circo provoca em nós esse encantamento que o poeta nos mostra. E essas laranjas...como teimam em cair,no decorrer das nossas vidas.
    Estou com muitas saudades do circo que passava lá na minha cidade do interior. E um dia, fiquei sentida porque a minha mãe falou que o palhaço não é feliz como parece ser.Estaria ela vendo a sua própria tristeza interior no olhar do palhaço?
    Eu não sei...Só sei que esse Menna nos faz ficar sentimentais...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, Maria.... fico tão obrigado a ti e esta tua gentileza...!!
      Quanto ao olhar da tua mãe.... será que ela conhecia o personagem desse conto...? Aguardes, amiga... há um palhaço de coração recortado, precisando fazer sorrir...!

      Excluir
  13. Poeta, você tem essa mania de buscar em nós, as mais doces lembranças, que estavam bem escondidinhas e que afloram com o que escreves... O circo! O circo de nossa infância... de nossa adolescência... Meu Deus... "quanto riso, oh, quanta alegria..." e aquela ansiedade de chegar o dia seguinte e assistir a tudo novamente... E mais risos... mais pipoca... mais maçã do amor... Bora... Bora ver o Circo...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E depois, vamos passear pelo arraial do Circo... vamos ir na brincadeira de argolas... vamos tentar acertar os patinhos para ganhar o urso de pelúcia... vamos comprar estalinhos.... comer amendoim quentinho....

      Excluir
  14. Acho que muitos palhaços são tristes e buscam preencher-se com a alegria que provocam.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. .. acho que estás na linha do tema do conto....
      Vem... vem ver as próximas sessões.....!!!!!!

      Excluir