sábado, 4 de junho de 2016

poesia de ver - Castelinho de Areia

Poesia de ver:
Originalmente  publicado no antigo blog
"Menna Comentários", precursor deste.
Data da postagem original: 27.02.2016.
Comentários na postagem original:  3.

Visualizações até ser retirado:  159.



Uma mão pequenina e delicada fez-me.

De perto, pareço tão forte, tão pedra!

Olhando-me ao longe, sou tão pequeno, tão fraco, tão areia.

Torço para que a mão que me fez ainda me queira inteiro, ainda me sinta necessário.


... Às vezes sinto-me um castelo de areia na mão de Deus...!


Imagem e texto por Luís Augusto Menna Barreto

37 comentários:

  1. ... talvez sejamos todos...
    Que lindo e delicado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ... como teu comentário, Sylvia: lindo e delicado...!
      Obrigado!

      Excluir
  2. E um poeta de alma delicada transformou o castelinho em poema! Ficou tão lindo! Me trouxe lembranças da minha infância, quando eu também fazia castelos na areia da praia! Muitas vezes fazemos castelos com nossos sonhos... Uns ruem com o tempo por serem frágeis... Outros continuam de pé e vamos a cada dia fortalecendo esses castelos que habitam em nós. Um abraço, poeta!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, professora.... era tão bom... barulho das ondas... o vento... o sal na pele... as unhas cheias de areia de mãos que cavocavam para pegar mais e mais areia e deixar o castelo o mais alto possível...!
      Como é bom voltar em lembranças....!!
      Obrigado, professora!

      Excluir
  3. Somos castelos de areia!!!!
    Todos os dias vamos construindo nossos castelos, uns caem , outros não. Outros nos fazem reconstruí-los, e assim vamos "tocando em frente", como canta Almir!
    Mas nunca percamos nossos sonhos, representados nos castelos .
    Nunca deixemos de construir castelos...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Penso que cumprir a vida seja simplesmente compreender a marcha e ir tocando em frente..."
      Ah, Silvina... só essa tua sensibilidade ligaria "Tocando em Frente"(maravilhosa!) com esse castelinho... Sinto-me envaidecido...!
      Mil obrigados!!

      Excluir
  4. Por muitas e muitas vezes todos nos sentimos esse castelinho de areia que a qualquer momento irá desmoronar.
    Mas só nestes momentos, também, è que temos a dimensão do quanto somos fortes e do tamanho da mão que nos protege.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho, mana, que o que nos mantém firmes, é a crença no tamanho e generosidade da mão que nos protege...!!

      Excluir
  5. Todos nós temos a impressao de ser fraco e as vezes forte, como bem dito na sua linda poesia. Nas mãos de Deus não importa quem somos, pois ele não faz distinçao. Sempre queremos guardar nossas contrucoes e lembrança. Assim mesmo que o castelo tenha desmontado, isso não sai de nossa lembrança, afinal quem nunca fez um castelo de areia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, e como nos sentimos confortáveis quando cremos na mão de Deus... É uma segurança de filhos.... é tão bom!
      Obrigado, Bárbara!!!

      Excluir
  6. Somos castelo, pedra, barro, corpo, alma em plena (re)construção nesse marvilhoso ciclo da vida. Excelente reflexão Menna...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Excelente foi teu comentário, indo muito além do que eu mesmo pretendia...!!!
      Mil obrigados, Roberto...!!!

      Excluir
  7. Amigo, castelos e crenças não são racionais, nem espere que eles sejam. Eles são contruídos como um somatório de todas as informações que recebemos da família e da sociedade, aliado a nossa percepção de mundo. Sua principal matéria-prima não é a razão, mas as diversas emoções que cultivamos. E, assim, cultivando determinadas crenças e construindo nossos castelos, sem perceber, moldamos nossas lentes, pelas quais analisaremos e construiremos muitos castelos a nossa volta.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eis a questão! Bem diz Izamir quando afirma que nós "moldamos nossas lentes". Sim, é verdade. E elas são os interpretantes que elegemos para ler o mundo.


      Mudando de assunto, meu caro Izamir, eu prefiro a expressão minha mulher a minha esposa, assim como ouso romper as convenções e me permitir o uso da expressão meu homem. Confesso abertamente que se o meu marido se referir a mim como sua esposa, vou achar muito estranho. Não tenho nada contra a quem chama sua companheira dessa forma, porém, sendo eu a companheira prefiro ser tratada como mulher.


      E quanto a ida a Fortaleza em novembro, será maravilhoso se podermos ir. Quanto mais frequentadores deste blog lá no Ceará, mais produtivo será o encontro.

      Abraço!

      Excluir
    2. Saudade do tempo que meus castelos eram materializados em areia moldadas por minhas mãos... ainda moldo os castelos... mas agora, ficam em meu coração.

      Bora pra Fortaleza!
      #literaturaabraçafortaleza

      Excluir
  8. Amigo Menna, penso que todos nós construimos castelos de areia um dia em nossas vidas, este que tu registrou, com certeza feito com o carinho de uma criança pura, parece de pedra...pois o amor de quem o fez, é sólido o bastante para durar uma vida inteira... superando as ondas da vida! Lindo gesto, lindas palavras. Ótima noite poeta!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mil obrigados...!
      O melhor de ver esses castelos construídos, é saber que quem os contrói, acredita em sua força.... queria saber, ainda, ver os castelos como eu os via com 8 anos....!

      Excluir
  9. POETA, não fosse o DEUS que creio puro AMOR e MISERICÓRDIA, eu teria um medo terrível dEle, porque eu também "...às vezes sinto-me um castelo de areia na mão de Deus...!"

    Mas a grandeza de Sua compaixão é muito maior que a grandeza de nossa pequenez.

    Portanto, meu POETA, nada temos a temer.

    Um grande abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Todos nos sentimos como vc descreve poeta Menna, mas como sabiamente nossa querida Ana nos lembra, Deus é misericórdia e amor, nada temos a temer... Somos verdadeiramente frágeis, quem nos segura diariamente é Deus. Bjo e boa noite Ana e Menna.

      Excluir
    2. "Sei estar abatido, e sei também ter abundância; em toda a maneira, e em todas as coisas estou instruído, tanto a ter fartura, como a ter fome; tanto a ter abundância, como a padecer necessidade.
      Posso todas as coisas em Cristo que me fortalece."
      Filipenses 4:12,13

      Excluir
    3. Já com a Manhã Nua, não podia deixar de responder teu cumprimento, Tel: BOM DIA!Receba também meu abraço afetuoso.

      Excluir
  10. Distante, longe... areia, pedra....grande, pequeno... ahhhhh!!!! eu olho o seu Poema, poeta, com olhos de Sedrick: Sou tudo isso e quase não consigo me conter. Eu não caibo em mim... Entretanto, esse "tudo" é como seu castelo de areia. E digo mais!! Citando Ferreira Gullar: "A vida pulsa pânica em mim/ e pode subitamente cessar/ como a chama de um maçarico..."

    Boa noite, nobre escritor! Boa noite a todos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, Yuri, o Sedrick!
      Visitaste por aqui, sem se anunciar e sem que eu pudesse entrevistar-te... sei que andas pela Noite Nua, como a defines...
      ... mas vês? O castelo foi erigido da areia que pisas... vou seguir tuas pegadas....

      @Noitenua
      www.noitenua.blogspot.com.br

      Excluir
    2. Ah! Vocês dois! Quando os vejo juntos, sinto sempre vontade de pegar o meu irmão LuAlves pela mão para juntarmos a vocês.

      Aí subiríamos em um tapete e voaríamos pela Noite Nua a visitar estrelas.

      Excluir
    3. Ana Macedo,

      Conheci Lualves, o Poeta, em uma de minhas passagens pela Bahia. Feliz coincidência. Havia chegado em minhas mãos o video "Pescador de Estrelas". Fiquei intrigado com o seu olhar dele... Reconheci-o no Aeroporto! Tomamos um café juntos e conversamos sobre o mundo das palavras. Certamente, essa vontade sua também pertence a mim.

      Aproveito para saudar o nobre escritor Menna Barreto! É preciso conhecer o Lualves, vejo que ele anda repousando em seus texto também! Recomendo assistir o "Pescador de Estrelas", obra que aqui citei...

      Excluir
  11. Respostas
    1. Vamos fazer um luau... ouvi que Lualves não se mixa prum violão! Pode ser um luau com sarau, o que achas...? e quem for passando, pode chegar!!

      Excluir
    2. Vamos, sim. Claro vamos fazer.

      Excluir
    3. Ahhhh!!! Tenho que me oferecer!!!! Convide-me, please! Não tenho habilidade musicais, mas, sei contar histórias....

      Excluir
    4. Ahhh!!!! Vou mesmo!!!! Boa noite!!!

      Caro Sedrick, sinto-me comovido pelas palavras suas. Lembro-me de nosso inusitado encontro e de nossa tão boa e profunda conversa. Eu ando sim por aqui, prestigiando o Menna Barreto!

      Ana Isabel, será um encontro fantástico!

      Boa noite a todos!

      Excluir
    5. Ahhh!!!! Vou mesmo!!!! Boa noite!!!

      Caro Sedrick, sinto-me comovido pelas palavras suas. Lembro-me de nosso inusitado encontro e de nossa tão boa e profunda conversa. Eu ando sim por aqui, prestigiando o Menna Barreto!

      Ana Isabel, será um encontro fantástico!

      Boa noite a todos!

      Excluir
  12. Quando pareço fraco, é que sou forte...... DEUS é nossa Fortaleza quando parecemos fraco ele faz de nois rocha viva fonte inesgotável de energia e vigor, penso q acontece quando passamos pelo nosso deserto a turbulência começa e pensamos que estamos só é frágil, na verdade aí q somos fortes ......

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Shirley... vou repetir a resposta que dei para Ana Macedo, a escritora:
      "Sei estar abatido, e sei também ter abundância; em toda a maneira, e em todas as coisas estou instruído, tanto a ter fartura, como a ter fome; tanto a ter abundância, como a padecer necessidade.
      Posso todas as coisas em Cristo que me fortalece."
      Filipenses 4:12,13

      Excluir
  13. Boa tarde Dr. Estava ausente do blogg, muita correria hj colocarei a leitura em dia, já estava sentindo falta de ler 📖 algo muito bom!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ah, guria... e eu sentia a tua falta por aqui....!!!!!

      Excluir
  14. A imagem me lembra o conceito budista da impermanência.Tudo que existe tem prazo de validade. A vida é um constante recomeçar. Caminhar é o caminho.

    ResponderExcluir
  15. Ah, Thaís... tens toda a razão.... tudo (mesmo nós!) está em transformação... somos, sempre, passagem....!

    ResponderExcluir