segunda-feira, 25 de julho de 2016

diálogos - "... a escritora e o POETA, sobre as águas do Marajó!"



Diálogos:

“Quanta água”, disse a escritora, surpresa com o tamanho do rio naquele pedaço da Amazônia, olhando depois o tronco de madeira onde o menino estave sentando com a menina, quando decidiu atravessar o rio para tentar descobrir onde o olhar da menina perdia-se no outro lado.
Quanto amor”, disse o POETA, ao ver o mesmo rio…
… a escritora suspirou olhando a água, entendendo já, o que o POETA falou em seguida…
… aqui, neste lugar de tantas águas, até o amor pode-se medir pelo tamanho do rio que se atravessa”.

(O diálogo é fictício…! A escritora, o POETA e o rio são reais)

Por Luís Augusto Menna Barreto

31 comentários:

  1. Que lindo o encontro desses três mestres...(Ana,Lualves e Menna)!!
    Imagino o quanto foi rica a experiência de vocês aí nesse estado lindo que eu aprendi a amar um dia...!!!
    Um abraço a todos...

    ResponderExcluir
  2. Pois então...!!!!
    Encontro de gigantes não se pode perder.

    Só estou por amanhã às 20h!!!!

    👏👏👏👏👏👏👏👏😘😘😘😘😘

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não há gigantes, Silvina!Inclusive há momentos que nos sentimos anões.

      Excluir
    2. Não há gigantes, Silvina!Inclusive há momentos que nos sentimos anões.

      Excluir
  3. Michele e Silvina, realmente estamos muitos.felizes com esse encontro. Certamente, muitas palavras boas irão brotar desse cenário maravilhoso. Entretanto, será muito difícil traduzir tanta beleza e generosidade do povo desta terra, em especial de nosso anfitrião o Menna Barreto.

    São muitos os diálogos!!!

    ResponderExcluir
  4. Michele e Silvina, realmente estamos muitos.felizes com esse encontro. Certamente, muitas palavras boas irão brotar desse cenário maravilhoso. Entretanto, será muito difícil traduzir tanta beleza e generosidade do povo desta terra, em especial de nosso anfitrião o Menna Barreto.

    São muitos os diálogos!!!

    ResponderExcluir
  5. Então, o amor aqui é maior do que em todos os lugares que conheço, concluiu a escritora.

    ResponderExcluir
  6. Então, o amor aqui é maior do que em todos os lugares que conheço, concluiu a escritora.

    ResponderExcluir
  7. Eu não sei bem o por quê mas a água tem mistérios, purifica os nossos pensamentos e faz o amor ser grandioso. Eu fico a imaginar a profundidade dos diálogos entre esses queridos poetas e escritores diante da beleza desse rio...

    ResponderExcluir
  8. Eu não sei bem o por quê mas a água tem mistérios, purifica os nossos pensamentos e faz o amor ser grandioso. Eu fico a imaginar a profundidade dos diálogos entre esses queridos poetas e escritores diante da beleza desse rio...

    ResponderExcluir
  9. A água passa, pode parecer que vemos sempre a mesma, nunca paramos para pensar em simples detalhes. A água passa, mas o tamanho do rio de uma margem a outra, o caminho que o menino percorreu (nadou talvez) para saber onde se perdia o olhar da menina, este jamais mudará, poderá sim, parecer menos distante, mas nunca mudará. O amor é assim, quando verdadeiro, passam-se anos, meses, dias, mas o sentimento sempre permanecerá o mesmo! Seria bom que o diálogo continuasse, eu me emocionaria muito com "O poeta e a escritora".

    ResponderExcluir
  10. A água passa, pode parecer que vemos sempre a mesma, nunca paramos para pensar em simples detalhes. A água passa, mas o tamanho do rio de uma margem a outra, o caminho que o menino percorreu (nadou talvez) para saber onde se perdia o olhar da menina, este jamais mudará, poderá sim, parecer menos distante, mas nunca mudará. O amor é assim, quando verdadeiro, passam-se anos, meses, dias, mas o sentimento sempre permanecerá o mesmo! Seria bom que o diálogo continuasse, eu me emocionaria muito com "O poeta e a escritora".

    ResponderExcluir
  11. Obg escritora e Poeta, por trazerem essa cena tão bonita...
    O momento em q o menino descobre o amor da menina um pouco mais...

    ResponderExcluir
  12. Grandes encontros, grandes reflexões!! Momentos enriquecedores que a vida proporciona e os leitores agradecem, afinal, desfrutam de uma agradável leitura!!!

    ResponderExcluir
  13. Entretanto,mais tarde, depois de a escritora ter resolvido mergulhar o olhar no mais profundo do rio, ela percebeu que as mesmas águas que atraíam o amor, para engrandecê-lo, tinham o poder de derretè-lo.

    ResponderExcluir
  14. Entretanto,mais tarde, depois de a escritora ter resolvido mergulhar o olhar no mais profundo do rio, ela percebeu que as mesmas águas que atraíam o amor, para engrandecê-lo, tinham o poder de derretè-lo.

    ResponderExcluir
  15. Aí... Amor derretido... Que pena! Amor acabado. Um vaziiiiiiiiiooooo..............

    ResponderExcluir
  16. Aí... Amor derretido... Que pena! Amor acabado. Um vaziiiiiiiiiooooo..............

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O amor é como um rio.
      Quanto mais caudaloso,
      mais belo e perigoso.

      A rima foi um acaso.
      Essas coisas, amor, rio e rima eu tenho medo.

      Excluir
  17. Que linda reflexão acerca de nossos rios da Amazônia. Encantados, a escritora e o poeta, dão as mais variadas interpretações do cotidiano marajoara. Também para nós o rio serve de estrada, passagem, encontros, desencontros, amores, fortunas e infortúnios. Assim caminhamos desvendando suas belezas...

    ResponderExcluir
  18. "Rio caminho que anda
    e vai resmungando talvez uma dor
    Há quanta pedra levaste
    outra pedra deixaste sem vida e amor.

    Vens lá do alto da serra
    o ventre da terra rasgando sem dó.
    Eu também venho do amor
    com o peito rasgado de dor e tão só.

    Não viste a flor se curvar,
    teu corpo beijar e ficar lá pra trás.
    Tens a mania doente
    de andar só pra frente e não voltas jamais.

    Rio caminho que anda,
    o mar te espera não corras assim.
    Eu sou um mar que espera
    alguém que não corre pra mim."

    EU E O RIO - MÚSICA CANTADA POR MILTINHO

    ResponderExcluir
  19. Moçada!
    Com certeza, qualquer hora dessas, o POETA MENNA se desencalha da trabalheira excessiva do JUIZ, encontra um sinalzinho de internet, no meio do MAR DULCE, e vem nos ver.
    Dou minha palavra.

    ResponderExcluir
  20. Daqui a alguns dias o escritor voltará, amigos!
    Ele está precisando deste tempo agora. É muito trabalho. Muito mesmo. Mas logo logo ele nos encontrará aqui.
    Garanto que ele também está sentindo a falta deste nosso convívio.
    Abraço em cada um!

    ResponderExcluir
  21. Não há o que agradecer, Armelinda. Mas valeu pela atenção.
    Abraço carinhoso!

    ResponderExcluir
  22. Amigos, amanhã, o Poeta voltará para o nosso blog.
    Que legal! Estou muito feliz por isso!

    ResponderExcluir
  23. Amigos, amanhã, o Poeta voltará para o nosso blog.
    Que legal! Estou muito feliz por isso!

    ResponderExcluir
  24. Amigos, amanhã, o Poeta voltará para o nosso blog.
    Que legal! Estou muito feliz por isso!

    ResponderExcluir
  25. Como é bom um encontro!
    Imagina o encontro entre poetas e rios...
    Com certeza, muita poesia nascerá.
    Deve ter sido muito bom... e daqui, ficamos só na vontade de lá está... e entrar na conversa... nas risadas... tomar um gole de café... navegar por esse rio de todo mundo... (É! Pra mim foi texto! rsrsrsrsrsrs)

    "Rio que leva nas águas
    Mistérios profundos
    Pra nunca voltar
    Passa nas sombras das matas
    Murmuram cascatas mas não voltará..."
    (Rio de Minha Infância - Délcio Tavares)

    ResponderExcluir
  26. "... aqui, neste lugar de tantas águas, até o amor pode-se medir pelo rio que se atravessa". Imagino que mergulhar no mesmo rio, dará pra se ter uma idéia da abundância do amor...

    ResponderExcluir