sábado, 23 de julho de 2016

poesia de ver: "... deixando pra trás!"

Poesia de ver:

Originalmente  publicado no antigo blog
"Menna Comentários", precursor deste.
Data da postagem original: 23.03.2016.
Comentários na postagem original:  6.
Visualizações até ser retirado:  182.



Não, menino…

… não deixes teu castelo… tem tanta sombra na tua frente…

Volta a brincar… … não deixes tudo prá trás… … não vires adulto, menino…

… não abandones as coloridas batalhas da infância… volta… brinca mais um pouco…


… tenho tanto medo que tu sejas eu….


Imagem e texto por Luís Augusto Menna Barreto



19 comentários:

  1. Ohhh que sentimento lindo de proteção, Menna. Infelizmente, ninguém pode ser eternamente um menino, mas tu poderás mostrar-lhe caminhos diferentes, para que não sofras o que tu sofreu, orientá-lo para que a vida lhe seja mais fácil. Parabéns por este sentimento tão lindo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah..... eu sei... mas acho que é algo de egoísmo meu... como querer congelar esse tempo, em que as maozinhas dele precisam tanto das minhas... que o abraço dele ainda é pendurado no meu pescoço... que o riso dele, ainda vem toda hora pra mim...

      Excluir
  2. Sentimento de cuidar... proteger... instinto de pai...
    Um dia, todos crescem, mas cabe a cada um, deixar dentro de si, a criança que foi um dia, para que nos momentos amargos da vida, com o olhar de criança, veja com suavidade esses momentos e saiba dar a volta por cima.


    "Eu fico com a pureza
    Da resposta das crianças
    É a vida, é bonita
    E é bonita

    Viver
    E não ter a vergonha
    De ser feliz
    Cantar e cantar e cantar
    A beleza de ser
    Um eterno aprendiz..." Gonzaguinha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Eu sei que a vida
      Devia ser bem melhor
      E será
      Mas isso não impede
      Que eu repita
      É bonita, é bonita e é bonita."

      Excluir
    2. "Das roupas velhas do pai
      queria que a mãe fizesse
      uma mala de garupa
      uma bombacha e me desse.

      Quero boinas, alpargatas
      e um cachorro companheiro
      pra me ajudar a tocar as vacas
      no meu petiço sogueiro

      Ei de ter uma tabuada
      e o meu livro queres ler
      Aprender a fazer contas
      e algum bilhete escrever
      pra que a filha do seu Bento saiba
      que ela é meu bem querer
      e se não for por escrito eu não me animo a dizer

      QUERO GAITA DE OITO BAIXOS
      PRA VER O RONCO QUE SAI
      BOTAS FEITIO DO ALEGRETE
      E ESPORAS DO IBIRUCAI
      LENÇO VERMELHO E GUAIACA
      COMPRADAS LÁ NO URUGUAI
      PRA QUE DIGAM QUANDO EU PASSE:

      SAIU IGUALZITO AO PAI...
      (...)
      (Guri - Cesar Passarinho

      Excluir
  3. Exatamente!!!
    Que linda poesia!!!
    "...Não vires adulto,menino..."
    Seremos sempre mais felizes se conservarmos o(a) menino(a) que um dia fomos,dentro de nós...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Michele... mas acho que eu não apenas queria conservar o menino que fomos, como também queria conservar o maior tempo possível aquele menino da foto, realmente menino....

      Excluir
  4. Ahhhh!!!! Os sabores da infância....
    Aprecio a proteção, o zelo, mas, cada um tem seu tempo, suas escolhas ...
    É difícil quando crescemos...então, não percamos nosso lado criança!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Força não há capaz de enfrentar
      Uma idéia cujo tempo tenha chegado
      A força não é capaz de salvar
      Uma idéia cujo tempo tenha passado"
      (Onda - Engenheiros do Hawaii)

      Tenho medo de que a força do novo, chegue logo ao menino...

      Excluir
  5. "...não abandones as coloridas batalhas da infância...volta...brinca mais um pouco...
    Infelizmente, nossas crianças estão deixando as brincadeiras infantis cada vez mais cedo. As vozes da tecnologia e de tantas outras coisas, tem chamado mais a atenção delas do que a magia do mundo encantado, do que as bonecas e os carrinhos. Realmente, Poeta Menna, acho muito importante esse alerta que você faz...no sentido de que os pais devem motivar os seus filhos a aproveitarem cada fase sem pressa, sem perderem a engenuidade...a pureza...sem pular fase...Cada coisa no seu tempo...sem atropelar. Muito boa essa reflexão!!! Como sempre!!!



    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amiga Armelinda...
      ... é exatamente como eu penso...

      Não quero que, cedo demais, as bolihas coloridas deixem de encantar o menino...!

      Excluir
  6. Às vezes me pego, na rua, a olhar uma pessoa bem velhinha e penso: ela já teve 12 anos.

    Não sei porque penso sempre nessa idade de 12 anos. Deve ser porque essa seja uma idade, mais ou menos, limite da infância. A partir dela, hà o desabrochar para um outro tempo.

    Também, nem sei porque estou a falar sobre isso...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estás a falar, escritora, porque de alguma forma, o blog é pra isso: falarmos o que entendemos, o que sentimos, o que queremos falar...!!!

      Eu lembro que quando era pequeno, e meu pai, já com setenta e tantos anos, eu tentava imagina-lo criança... e eu me divertia imaginado ele da minha idade e me repreendendo em alguma coisa...

      Excluir
  7. É... Menna com suas palavras movendo nossas emoções.
    Protegemos... pelo muito que amamos nossas crianças, mas tudo o que o mundo vai cobrar de todos é que sejamos adultos! Mas a essência de menino ou . menina, está aqui... pode olhar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estou olhando, Sylvia... e lembrando o quanto todos nós, adultos, gostamos de ter sentado na guia, crianças de novo, vendo o CIRCO...

      Excluir
  8. Quem ama cuida, protege.
    Continua a ser lindo esse sentimento, mesmo que nossos filhos já sejam adultos. Lutamos com todas as nossas forças para que sejam felizes.E continuem com a alma criança.
    Será por isso que continuamos a chamá-los de "meninos"?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ... acho que fizeste a pergunta e deste a reposta, amiga Zélia... talvez esse seja o jeito de conservá-los "meninos" ao menos em nós..!

      Excluir
  9. Lembrei de qdo estou brincando com a criança e ela veste adereços de adulto dizendo ser um adulto..
    Pra ela é divertido brincar de adulto. Talvez fazemos isso qdo trazemos a criança q está em nós.. e qtas vezes fazemos.. Ate q essas trocas constroem o adulto q a criança sempre busca e mantém a criança q o adulto precisa ter.
    Eu qro tb entrar na torcida pra q ele nunca deixe de brincar...

    Que linda poeta! =)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bonita a forma como viste, Gabi, com olhos de espelho...
      Que bom seria, se nossos pequenos adultos, assim se conservassem: folgados em suas roupas, com sorrisos tão grandes quanto os sapatos de adultos em seus pezinhos...!

      Excluir