segunda-feira, 5 de setembro de 2016

diálogos - "... coragem!"

Diálogos: “… a chave!"

(…)
“Tu não deverias estar aqui!”

Eu também acho que não.

"Foi outra chave que te deram. Não poderias ter entrado aqui com ela. Esta chave que tens não abre essa porta.”

"Eu sei.

“Tu deverias estar ardendo no inferno!”

Eu recebi a condenação. Peguei a chave que me deram. Fui até a porta do inferno.

"Mas não entraste. Continuas sendo um covarde. Covardes não deveriam entrar no céu.”

Nunca fui um covarde. Carreguei meus erros. Aceitei a condenação.

“Então porque não entraste no inferno que te foi destinado pelas escolhas que fizeste? Tiveste medo! Por que não usaste a chave na porta do inferno?”

Não foi o medo de entrar

O Anjo invejoso não entendia… então o condenado olhou-o nos olhos e disse:

“… foi o medo do que poderia sair que me impediu de abrir aquela porta.”
(…) 

(Trecho de um conto que escrevi, há muito tempo, em que havia heróis e vilões… e eu jamais soube quem eram uns e quem eram os outros…
Escrevi depois de ter lido o poema “Águia Sideral, vinha de bruma - a idade dos deuses, do diabo e da terra” de Euclides Santos Mendes).

Por Luís Augusto Menna Barreto



14 comentários:

  1. Bom dia poeta, todos nós abrimos portas erradas, e exitamos em abrir as portas que nos fariam felizes ou que seriam a atitude correta. Como disse o "condenado" ele teve "medo do que poderia sair" transportando para o pouco da psicologia (sou leiga)que entendo, o medo de que sua atitude, pudesse ter consequências que pudessem ter uma pena maior ou pior daquela que o levou até aquele momento. Ele pagou pelos erros a que foi condenado, não queria voltar a errar, foi assim que entendi.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que entendimento bonito que retiraste, guria!!!!!
      Na verdade, coloquei apenas um trecho de diálogo... E evidentemente que essa é uma interpretação maravilhosa...
      O texto original (talvez um dia eu o poste) vai bem além desse diálogo e é um texto cru! Fiquei feliz com teu comentario!!!

      Excluir
  2. Boa tarde!
    E quem não tem medo das escolhas?
    Pra sempre carregaremos a responsabilidade das nossas escolhas,com todos nossos medos, todos acertos, todas condenações...pra sempre!!!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah... essa era uma história de vilões e heróis. Uns iriam para o céu, outros para o inferno Um dos condenados, recebeu a sua chave para entrar no inferno, e não o fez.
      Outros já se haviam negado a abrir a porta do inferno. Mas nenhum dos anteriores foi para o céu. Este, acabou indo. Daí, a inveja do anjo...
      ... o que o conto desvendaria, era o motivo pelo qual ele foi admitido no céu...!

      Excluir
  3. "Não foi o medo de entrar... foi o medo do que poderia sair..."

    Achei o argumento bem válido. rs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A maioria das vezes, a porta pela qual se entra, é a mesma pela qual se sai...
      ... ou, no mínimo, é a mesma pela qual se poderia sair...!
      Daí, o medo do condenado.

      Excluir
  4. Humm...que profundo esse diálogo!!!
    Como diz você, Poeta: "...não sei o que dizer..."
    O que sei, é que estou feliz por estar aqui. Apesar de um pouco doente, mas vou ficar bem. Bom dia a todos!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Armelinda! Estimo todas as melhoras para ti!
      Se puderes, dá uma olhadinha na minha resposta ao comentário da Silvina...!

      Excluir
  5. Respostas
    1. Barbaridade Gabi...!!
      Não fazes idéia da felicidade que teu comentário trouxe-me!!
      Tua lembrança não se afasta de todo de uma das inspirações que tive, um dos modelos que usei.
      Não esperava que esse diálogo fosse ter a aceitação que está tendo, porque no meu modo de ver, foge muito ao que normalmente eu posto, foge ao estilo de todas as postagens que normalmente faço.
      Mas estou seriamente pensando em publicar o conto todo...
      Um baita abraço, guria!!
      Obrigado!

      Excluir
  6. Feliz fiquei eu, Poeta, por ter me aproximado ao q vc quis dizer...
    Obrigada! =)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado a ti, Gabi, por aproximar-te...!Às vezes, é preciso coragem para deixar portas fechadas!

      Excluir
  7. ... " foi o medo do que podia sair, que me impediu abrir aquela porta", muitas vezes na vida, por extrema responsabilidade, preferimos manter fechada a porta que desejamos ver aberta. 💖. Parabéns poeta! 👏👏👏👏👏.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ... e, quando isso acontece, quanta incompreensão enfrentamos....!

      Excluir