segunda-feira, 14 de novembro de 2016

diálogos - "...desculpa!"

Diálogos: “… desculpa!”

Originalmente  publicado no antigo blog
"Menna Comentários", precursor deste.
Data da postagem original: 24.04.2016.
Comentários na postagem original:  16.
Visualizações até ser retirado:  327

Ela havia acabado de dizer-lhe que não o amava… e sentia por isso, porque queria saber amá-lo…

“Desculpa-me…” Ela baixou os olhos… como fazem as pessoas que pedem desculpas.

“Não posso desculpar-te”, ele respondeu.

“Por que não?”

"Como alguém que só me faz o bem, pode pretender pedir-me desculpas? Se me pedes desculpas e eu as dou a ti, tu as gastas sem necessidade…! O que sobrará, quando eu gastá-las contigo, para quem me ofender, se as desculpas que eu tinha entreguei a ti sem necessidade?”

Por Luís Augusto Menna Barreto




28 comentários:

  1. Respostas
    1. Sou fã!!!
      Sempre encontro algo pra mim nas suas poesias....
      Gosto muito mesmo!⚘

      Excluir
  2. Admiro muito tua criatividade!!!
    Com poucas palavras você faz um rebuliço tão grande dentro da gente. Isso é ótimo!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Agora não sei como responder..... só posso agradecer!!!!!!!

      Excluir
  3. Diálogos mto interessantes e repletos de criatividade.
    De facto, o amor tem, por vezes, uma linguagem bem simbólica e até contraditória.

    Abração, Menna!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Super bem vinda!!!!!!
      Por todos os motivos, obrigado!
      .... o amor? ... as linguagens do amor...? Ah, como diria aquele porta do rock de minha juventude:
      "Quem inventou o amor
      Me explica por favor.
      Enquanto a vida vai e vem
      Você procura achar alguém
      Que um dia possa lhe dizer:
      - quero ficar só com você.."
      (Renato Russo - Quem inventou o amor?)

      Excluir
  4. É imensa a generosidade de quem ama...mesmo sem ser amado, consegue espalhar gentilezas...Parabéns poeta.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amor / gentileza...
      ..... Seria possível não ser gentil com quem realmente amamos...?!!!

      Excluir
    2. Qdo não somos correspondidos...as vezes,o amor se "revolta"...

      Excluir
    3. Ah, eu penso que... quando é amor, amor mesmo pra valer... mesmo não sendo correspondido fica feliz com a felicidade do ser "amado".

      Excluir
    4. E eu penso que....
      .... que....
      Sei lá! É amor!

      Excluir
  5. Como pode alguém ser tão gentil e agradecido a uma pessoa que acaba de dizer a ele que não o ama?
    E que sente muito?
    Ah, não!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vai se entender o amor, amiga Maria...? Vai entender......
      Ah, eu quero a fórmula!!

      Excluir
  6. Respostas
    1. Que saudade de ver-te aqui!!!!!
      Super obrigado!!!!!

      Excluir
  7. A mim, me pareceu uma conversa honesta entre duas pessoas íntegras.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A mim, escritora.... pareceu.... dolorido pra ambos!

      Excluir
  8. Ha uma coisa interessante no diálogo. Qdo estamos em uma relação q não existe necessariamente amor, acho q proporcionalmente tb existe menos desculpas. Pq nas com amor tem la seus conflitos.
    Obg Poeta =)

    ResponderExcluir
  9. Lindo, quanta humildade nas palavras...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, guria.... e perdão por tanto silêncio, por tanto atraso na resposta...
      Voltes sempre...!!!

      Excluir
  10. Simplesmente lindo!! Quanta criatividade!!! (do poeta, realmente um artista). No poema dá pra sentir a essência do amor, quando ele mesmo diante da confissão de que não é amado, diz que não há motivos pra desculpar, pois ela só lhe faz o bem. Interessante 👏👏👏👏😍😍. O amor é um enigma 😉

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O amor....? ah, quem o poderá explicar....
      Amor é substantivo que não se pode definir... é substantivo de sentir...!

      Excluir
  11. Sem duvida! ! ! Concordo, em genero, numero ee grau.

    ResponderExcluir