terça-feira, 17 de janeiro de 2017

poesia de ver - "...perfume teu!"

Poesia de Ver: "... perfume teu!"


Originalmente  publicado no antigo blog
"Menna Comentários", precursor deste.
Data da postagem original: 27.04.2016.
Comentários na postagem original:  14
Visualizações até ser retirado:  247





Apertavas o lençol contra o peito:

“Flores desenhadas no pano exalam perfume assim?"

Ainda não…”, tu respondeste.

Só à noite descobri o que fazias, quando estavas longe, mas me cobriste com teu perfume…


Imagem e texto por Luís Augusto Menna Barreto



23 comentários:

  1. Os sentidos trazem de volta o perfume da pessoa amada e a trazemos para junto de nós, através do olfato. É muito bom amar e ser amado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, os cheiros...! Como eles nos dizem e lembram-nos.... eles disparam nossa memória...!

      Excluir
  2. Ah... e como disparam nossa memória...!!! Esse dispositivo é incrível!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quando sentimos aromas que nos lembram pessoas, sentimo-nos tão mais próximos....!!

      Excluir
  3. Caro Poeta, além de vermos, suas poesias são sentidas e vividas através do despertar de nossas lembranças. Parabéns por essa capacidade...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grande Roberto Carlos...!!!!
      Super obrigado...! Mas muito do que dizes é fruto da tua própria sensibilidade!!!!

      Excluir
  4. Amigão, rosas e perfumes, são pra sentir e não cabe explicação. São puro egoísmo, de quem ama e basta.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "... eu fui lá fora e vi dois sóis um dia e a vida que ardia sem explicação!"
      De fato, amigão.... tem coisas que é só pra sentir... sem explicação!!!!

      Excluir
  5. Prezada Amiga Ana Izabel, recebi os dois livros, muito obrigado. Adoro ler. Hj com 69 anos, mas graças a Deus, ainda inteiro, curto a vida com o fruto do meu trabalho. Sou Dentista e Professor da UFPA, aposentado. Depois vou comentar por e-mail os livros. As vezes não dá pra medir o tempo pois pra construir uma amizade basta querer. Nós somos amigos isto basta o tempo não importa. Obrigado. Um fraterno abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Izamir!
      Fico contente em teres recebido os livros. O amigo juiz, por certo, não deve ter tido tempo para me avisar do recebimento. Espero que tu leias. Para mim, será uma honra.

      Excluir
    2. Recebi justamente quando Dr. Izamir estava-me visitando!!!! Abrimos juntos!!!! E adorei o meu!!!!!!!!!!! Mas o MALVA "engordou"...!!!!!! Ficou linda essa edição!!!!!

      Excluir
    3. Mas não é assim?! A gente envelhece e engorda.

      Obrigada amigo!

      Excluir
    4. Ou fica mais... forte e experiente!

      Excluir
  6. Poeta, escreveste um poema recheado de sensualidade!

    E isso é um comentário de parabéns.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas isso é que é sensualidade verdadeira: sem querer ela flui.

      Excluir
  7. Amor, perfumes, saudades, lençóis...! Noites, lembranças.... Nosso inconsciente guarda intacto tudo aquilo que é ou foi muito importante. Tenho dito. O pior que muitas vezes isso embora gostoso, nos faz sofrer.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah... mas que coisa estranha... será que sofrer de amor, não é uma forma de amar de novo...?

      Excluir
  8. Rsrsrs, Confesso que tenho que concordar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como disse Drumond no poema "A Mesa" (vivo citando esse poema porque o acho maravilhoso):
      "... mas os caminhos do amor, só o amor sabe trilha-los..."

      Excluir
  9. Respostas
    1. Ah... obrigado.... e perdoa-me haver demorado tanto a responder... tenho demorado em revisitar-me...!

      Excluir