domingo, 19 de março de 2017

pensamentos perdidos - O CIRCO - um conto de Ana Isabel Rocha Macedo - parte 5 de 7

Pensamentos Perdidos: O Circo - um conto de Ana Isabel Rocha Macedo

O CIRCO
(Parte 5 de 7)

ANA ISABEL ROCHA MACEDO

*Respeitável público!!!! O blog “menna em palavras” orgulhosamente apresenta um circo! Um outro CIRCO! Desta vez, descortina-se o CIRCO de Ana Isabel Rocha Macedo, que brinda o blog e seus leitores com um conto inédito que está sendo publicado em sete partes!  Esta é a quinta! Venham! Comprem seus ingressos, a pipoca, a maçã do amor, as raspadinhas, o suco… venham todos!
Óh… shhhhh…… rufam os tambores… abre-se a cortina… sshhhhh…….
(Nota do “editor” Luís Augusto Menna Barreto)

V

Continuei no trailer, porque foi-me oferecida uma cama. Lá moravam também mais dois malabaristas. Um deles era apenas aprendiz, mas já sabia muito do malabar.
Foi aí que comecei a ajudar na apresentação do grupo. Limpava as malabares, guardava-as com todo cuidado, e, depois de certo tempo, comecei a levá-las até o picadeiro. Mas, para isso, jogava um manto sobre minha cabeça que caía sobre meus braços, cobrindo assim as marcas que me transformavam na figura humana mais horrenda que eu vira até então.
Nesse convívio, peguei amizade com o aprendiz e ele me ensinou mais movimentos do malabarismo. E de pouco em pouco, fui me lembrando de alguns movimentos e aprendendo mais, de fato, a arte do malabar.
Um dia, estava eu a treinar atrás do trailer, quando, assim que parei para descansar de uma série mais difícil do jogo, percebi que o malabarista maior estava a me observar. Fiquei um tanto sem graça, mas arranjei, como desculpa, dizer-lhe que eu estava apenas a brincar. E qual não foi o meu espanto quando ele, com semblante fechado e voz de seriedade, me disse:
- Amanhã, tu entras no picadeiro e, junto com o aprendiz, apresentarás um número – afirmou aquilo, deu-me as costas e saiu.
Eu não tive o que falar... Mas no dia seguinte, no meio da tarde, ele chegou no trailer acompanhado da moça que fazia a maquiagem dos artistas e também acompanhado do palhaço mais novo do circo. 
Estranhei o fato de, já naquela hora, o palhaço estar todo pintado. Percebi logo que ele, além de não estar disposto à conversa, pois apenas resmungara umas duas ou três palavras desde que ali entrara, também agia como se eu ali não estivesse. Não me olhava de forma alguma. Imaginei que o horror da minha aparência o afastasse de mim.
Minha surpresa foi grande, quando, depois de certo tempo em que o malabarista explicava ao palhaço e à moça maquiadora sobre a pintura de uma máscara em um modelo, os três voltaram-se e olharam-me. Só aí compreendi que o modelo era eu, e a máscara era para mim. 
Assim foi que a maquiadora pintou os meus braços e o meu colo, aproveitando os queloides e construindo desenhos.
Quando o palhaço começou o seu trabalho, vi logo que a sua tarefa era a de cuidar do meu rosto. Ele teria de transformar o horror da minha face em uma máscara que poderia ser olhada sem causar repulsa. E isso ele fez.

Durante o tempo em que o palhaço em meu rosto tocava, eu de olhos fechados, refletia sobre o fato de aquelas mãos terem, um dia, me arrancado das garras das feras, e, agora, essas mesmas mãos estarem ali para amenizar o que aquelas feras me causaram.  E aí eu concluía quão estranha é a vida e quão estranhos são os caminhos, nela, a serem percorridos.





30 comentários:

  1. Ressignificar ... Transformar ... Nada melhor que uma nova chance da Vida!

    ResponderExcluir
  2. Hj cheguei bem cedo no circo, vou reservar os lugares para todos amigos juntos verem a apresentação da mais nova malabarista que certamente vai encantar a todos. Que bom que ela vai voltar ao picadeiro e as marcas das feras vão se transformar em desenhos e pinturas alegres para fazer a moça sentir-se bela novamente.

    ResponderExcluir
  3. Amiga Ana, parabéns. Como fico emocionado, quando leio o seu conto, principalmente nas artimanhas que vc descreve pra humanizar pro outros, a figura da nossa bela-feia. E ela se enche de alegria por poder tentar ser diferente, mesmo sendo diferente. Lindo.

    ResponderExcluir
  4. Hoje, no CIRCO da escritora, sou espectador!!! Tel, guardaste um lugar pra mim, também....?! Quero ver a trapezista/domadora/malabarista.....
    Como é BOM ter um CIRCO pra assistir!!!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Claro seu lugar é especial nessa platéia, amigo poeta!

      Excluir
  5. NADA nessa vida tá "perdido, tudo se transforma,é uma questão de observar e aproveitar as oportunidades, os talentos.

    ResponderExcluir
  6. Oi gente, cheguei!!!

    Tel, quero um lugar bem bom, porque eu trouxe um saquinho para todo mundo.

    Calma Menna! Olha aqui o seu! É uma gulodice!!!

    Tem pra você também Izamir. Não precisa ficar de cara fechada! Toma aqui!

    O seu Menina! Aqui, Linda! Tel!

    O restante deixa na sacola, que é para quem chegar depois.

    Ué?! Pode comer, moçada! É uma delícia! O nome é JOAQUIM TEODORO.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu quero embora não sei o que seja Joaquim Teodoro, ou quem seja????

      Excluir
    2. Seu lugar é especial, junto do poeta deve ficar a escritora Ana Macedo e sua gulodice chamada Joaquim Teodoro!!!!

      Excluir
  7. Que bom, Ana!!! Estou mesmo faminta. Ainda bem que você trouxe Joaquim Teodorrrr... "hein"... como assim!?
    O que é, amiga?
    Ai, tomara que seja bom!!!!

    ResponderExcluir
  8. É bom, Linda, experimente!
    Comer JOAQUIM TEODORO é uma delícia!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu confio em vc, vou comer junto com a turma, mas não faço ideia do que seja....

      Excluir
  9. Ah!
    Dona Ana Macedo... O que será esse tal Joaquim??? Será português ????

    ResponderExcluir
  10. OI, cheguei de volta! Sumi, não foi? Fui buscar o bolo. Hoje temos de cantar parabéns. Temos ou não?! Tem gente fazendo aniversário. E quem é? O dono do circo, SEU BARRETO!!!

    Vamos cantar?!

    Você que é tenor, IZAMIR, comece a cantar os parabéns!

    Vamos?!!!

    ResponderExcluir
  11. Perdão, moçada!
    Eu me atrapalhei. O aniversário não é do dono do circo, não. É do primo dele, do MENNA, nosso amigo que senta aqui na guia conosco.

    Aí é que devemos cantar parabéns! Começa IZAMIR!

    ResponderExcluir
  12. Com certeza, e hj é o dia internacional da felicidade...

    ResponderExcluir
  13. Bora ser feliz!!!
    Vem todo mundo, que bolo só tem Graça dividido!!!!!!

    ResponderExcluir
  14. Parabéns pra vc nessa data querida, muitas felicidades e muitos anos de vida, que Jesus abençoe essa nossa oração e Maria te guarde dentro do coração!!!!
    Vamos Ana, cantamos o parabéns!!!

    ResponderExcluir
  15. Barbaridade.... super obrigado....!!!!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  16. Acho que agora a gente pode fazer uma serenata para ele.

    Vamos?

    ResponderExcluir
  17. VOU COMEÇAR A CANTAR! LUALVES ME ACOMPANHA NO VIOLÃO.

    Amigo é feito casa que se faz aos poucos
    e com paciência pra durar pra sempre
    Mas é preciso ter muito tijolo e terra
    preparar reboco, construir tramelas
    Usar a sapiência de um João-de-barro
    que constrói com arte a sua residência
    há que o alicerce seja muito resistente
    que às chuvas e aos ventos possa então a proteger
    E há que fincar muito jequitibá
    e vigas de jatobá
    e adubar o jardim e plantar muita flor toiceiras de resedás
    não falte um caramanchão pros tempos idos lembrar
    que os cabelos brancos vão surgindo
    Que nem mato na roceira
    que mal dá pra capinar
    e há que ver os pés de manacá
    cheínhos de sabiás
    sabendo que os rouxinóis vão trazer arrebóis
    choro de imaginar!
    pra festa da cumieira não faltem os violões!
    muito milho ardendo na fogueira
    e quentão farto em gengibre
    aquecendo os corações
    A casa é amizade construída aos poucos
    e que a gente quer com beira e tribeira
    Com gelosia feita de matéria rara
    e altas platibandas, com portão bem largo
    que é pra se entrar sorrindo
    nas horas incertas
    sem fazer alarde, sem causar transtorno
    Amigo que é amigo quando quer estar presente
    faz-se quase transparente sem deixar-se perceber
    Amigo é pra ficar, se chegar, se achegar,
    se abraçar, se beijar, se louvar, bendizer
    Amigo a gente acolhe, recolhe e agasalha
    e oferece lugar pra dormir e comer
    Amigo que é amigo não puxa tapete
    oferece pra gente o melhor que tem e o que nem tem
    quando não tem, finge que tem,
    faz o que pode e o seu coração reparte que nem pão.

    Composição: Capiba / Hermínio Bello De Carvalho

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E o Joaquim Teodoro, deve ser uma delicia esse doce,..vamos degustar e descobrir logo seu sabor ...

      Excluir
    2. Mas báh... serenata remete-me à juventude, quando, de fato, a gurizada saía com violão, cantando rock nas janelas das gurias...!
      Ah, como era bom...!!

      Excluir
    3. Verdade! Serenata era o maior barato.

      Excluir
  18. JOAQUIM TEODORO, amigas e amigos, é um BISCOITO feito com: GOMA DOCE; LEITE DE COCO e MANTEIGA.

    Ele é enrolado em bolinhas pequenas, bem menores que uma guie.

    JOAQUIM TEODORO é uma dessas delícias que dissolve na boca. Não dá para comer apenas alguns. Geralmente, come-se um tanto mais.

    ResponderExcluir
  19. O que é Joaquim Teodoro Gente? Como foi o aniversário do Menna? Ontem não deu palhaço, ele talvez tenha pintado no rosto a lágrima q pra vir! Queria ver que derramei ontem por não poder estar com vocês!

    ResponderExcluir
  20. Cheguei atrasada pra festa de aniversário do Poeta?!! Isso não podia ter acontecido!!!

    Feliz aniversário, Poeta!!! Que Deus te cubra com ricas bênçãos!!! Seja cada dia mais feliz!!!

    ResponderExcluir